Ciranda do Amor

Beto Brito

Meu coração é mutante
Pulsa de amor e de ódio
Chora, ri ao mesmo tempo
Ora perde, ora pódio
Grita, introspectivo
Mas nunca foi vingativo
Em todo seu episódio

Apaixonante, melódio
Em sua caixa sonora
Acelera quando sente
O calor de quem adora
Se remexe, me abala
Até parece que fala
Pra meu amor lá de fora

É cutuco de espora
Ferroando minha alma
Miguelão me beliscando
Apressando minha calma
Fala de mim, só pra eu
É um grande amigo meu
Me felicita, na palma

Êh ÔH! Êh AH! Ta dito ta falado
Ama quem sabe amar

Sem ele não sou viv´alma
Literalmente, tô morto!
Tem coração morto-vivo
Batendo só, absorto
Em onda descompassada
Como quem não sente nada
Nem moleza, nem conforto

É barco sem vela, sem porto
Navegando à deriva
Num cemitério de vivos
Sem os olhos duma diva
Doce de leite amarga
O riso murcha, se larga
Nem a fome traz saliva

A emoção não lhe criva
A chuva cai e não molha
O sol quente não aquece
O olho aberto, não olha
O tempo pára de vez
Na boca vem a mudez
Árvore grande desfolha


Êh ÔH! Êh AH! Ta dito ta falado
Ama quem sabe amar

A cortiça não arrolha
O vinho torna vinagre
A orquestra desafina
Nenhum santo faz milagre
Nem riacho come beira
Nordestino não faz feira
Não há rei que se consagre

Vira juízo de bagre
Amuado em avesso
Todo sinal é vermelho
Não tem menino travesso
Casa de tijolo cai
A lua quieta não sai
O final vira começo

O coração não tem preço
Nada paga o qu´ele sente
Bate forte pelos outros
É culpado, inocente
Se ele quer, ninguém muda
Essa coisinha miúda
Um vulcão incandescente

Êh ÔH! Êh AH! Ta dito ta falado
Ama quem sabe amar
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist?simnão

    feedback